Categoria:

Por Gustavo Tokoro Riether

 

Aquários plantados são montagens que muitas vezes chamam a atenção por sua beleza e, por isso, atraem cada vez mais adeptos a essas montagens. Para se manter um aquário plantado é necessário ter um conhecimento básico e nesse artigo será abordado um pouco sobre fertilizantes, principalmente o que são e como são aproveitados pelas plantas.

            Aquários plantados se sustentam, basicamente, em três pilares: nutrientes, iluminação e CO2 e estes precisam estar em equilíbrio constante para que as plantas cresçam sempre saudáveis e evitar o oportunismo das algas. Por isso, nós, aquaristas, devemos sempre fornecer esses pilares para termos um aquário com plantas saudáveis, lembrando da saúde de nossos peixes e invertebrados, que é imprescindível.

            Os nutrientes para as plantas podem vir de diversas formas: da alimentação e fezes dos peixes, substrato fértil, da água da torneira e da adição de fertilizantes no aquário. Mas o que são esses nutrientes? Eles se dividem em duas categorias: macronutrientes e micronutrientes.

price of zoloft without insurance          MACRONUTRIENTES:

            Macronutrientes são necessários em quantidades significativas pelas plantas aquáticas e são vitais para muitas funções destas. Sem estes nutrientes, as plantas não estariam aptas a crescer, a se regenerar ou se manter saudáveis.

            Dentre os macronutrientes podemos citar o nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre, além de oxigênio, carbono e hidrogênio, mas estes são supridos pela água e gases dissolvidos no aquário, como o CO2 e a produção de oxigênio pela fotossíntese, além disso, alguns macronutrientes estão normalmente presentes vindos de várias fontes como alimentação dos peixes, água da torneira etc.

            Os macronutrientes, como carbono, oxigênio e hidrogênio, possuem a função estrutural na planta, os quais são fundamentais para o crescimento dela e, por isso, são necessários em quantidades maiores que os micronutrientes.

1200 mg motrin too much          Cálcio e Magnésio (Ca e Mg): Absorvidos pela planta na forma de cátions (Ca2+ e Mg2+). Conhecidos pelos aquaristas como meio para aumentar a dureza total do aquário (GH), assim, produtos que aumentam a dureza da água podem ser usados como fonte de cálcio e magnésio, além disso, pode-se usar dolomita moída no filtro, mas é necessário monitorar o pH, GH e KH com essa prática. Geralmente a água da torneira no Brasil vem com uma baixa dureza, mas varia de cidade para cidade e pode ser necessário repor de uma outra forma, vale lembrar que águas muito moles são pobres em cálcio e magnésio. O GH ideal de um plantado é 3 a 6 ºdH, mas como a maior parte dos peixes que habitam os plantados são peixes de água moles e ácidas, então é melhor manter o GH em 3 a 4 ºdH. O cálcio tem a função de controlar a permeabilidade da célula nas plantas e também ativa algumas enzimas. O magnésio é o centro metálico da clorofila e também serve para ativar enzimas que irão formar ácidos graxos e amido. O excesso de magnésio pode inibir a absorção de outros nutrientes como o potássio, por isso é ideal o controle do nível de magnésio.

prednisone 20mg reviews          Nitrogênio (N): Esse é um nutriente que dificilmente falta em aquário com uma boa população, pois o metabolismo de matéria orgânica gera amônia ou o íon amônio (NH3 e NH4+), que podem ser absorvidos direta e preferencialmente pelas plantas ou algas ou convertidos em nitratos (NO3-) pela filtração biológica que também é absorvido pelas plantas. É preferível que as plantas absorvam nitratos, apesar de envolver um gasto energético a mais para ser aproveitado pelas plantas, pois é preciso reduzir o nitrato ao íon amônio para o uso em proteínas, com isso as algas não conseguem absorver nitratos e evita-se o surgimento destas. Sendo assim, é importante ter uma filtragem biológica eficiente no aquário para que não haja amônia para as algas. Em aquários densamente plantados a falta de nitrogênio pode ser real devido ao elevado consumo pelas plantas, por isso, em alguns fertilizantes industriais há a adição de nitrato, que não é aproveitado pelas algas. Além disso, em aquários estáveis e equilibrados a adição de nitratos não irá causar explosões de algas, porém, esta é uma prática que requer bons conhecimentos na área de fertilização e plantados.

         Fósforo (P): Nutriente que geralmente vem de restos da alimentação dos peixes na forma de fosfatos (PO43-), por isso é difícil de ocorrer deficiência deste, seguindo as mesmas linhas gerais do nitrogênio, pode ocorrer deficiência em aquários densamente plantados. Além disso, o substrato tem papel importante na fertilização de fosfato, pois durante a respiração das plantas pelas raízes, que faz acumular CO2 no substrato, há a liberação de fosfato, devido à quebra das ligações dos fosfatos insolúveis presentes na camada fértil e liberando-os na coluna d’água em uma forma solúvel.

         Potássio (K): Este é um nutriente que se esgota rápido e sua deficiência faz com que todas as plantas comecem a ficar feias e sem desenvolvimento, é um nutriente que necessita de adição frequente no aquário, é absorvido em sua forma iônica (K+). Pode ser adicionado como sulfato de potássio, cloreto de potássio ou potassa, sendo mais recomendado o primeiro, mas existem fertilizantes industriais com essa finalidade que são mais indicados a serem usados, pela facilidade e conveniência.

         Enxofre (S): São absorvidos em forma de sulfatos (SO42-) que estão presentes em fertilizantes líquidos de qualidade, além de estarem presentes em boas quantidades em substratos férteis. Geralmente, fertilizantes de potássio, a base de sulfato de potássio, suprem as necessidades de enxofre.

MICRONUTRIENTES:

            São nutrientes que são requeridos em menor quantidade, mas são igualmente importantes para a saúde das plantas. Enquanto os macronutrientes são, geralmente, utilizados em componentes estruturais das plantas, como células, proteínas e carboidratos, os micronutrientes são utilizados em funções celulares e na ativação de enzimas vitais da planta. Os micronutrientes são responsáveis por regulação e controle da fisiologia da planta.

            Boro (B): É absorvido na forma de boratos (BO33-) e tem a função de crescimento das raízes, funcionamento da membrana celular e controle metabólico, entre outras. É difícil ocorrer sua deficiência em aquário e é facilmente reposto por fertilizantes líquidos de qualidade.

         Ferro (Fe): Elemento muito importante na produção de enzimas, respiração e síntese de clorofila. O ferro que é prontamente absorvível pelas plantas é o Fe2+, que pode ser oxidado a Fe3+ e este é de difícil assimilação às plantas. Por isso, os fertilizantes são feitos de quelatos de ferro que ajudam a prevenir a oxidação como FeEDTA, FeDTPA e Gluconato de Ferro, além disso, substratos ricos em ferro são uma boa fonte de ferro e podem fornecer ferro por um bom tempo e quelados com substâncias naturalmente encontrados em nossos aquários, como ácidos húmicos, taninos etc.

         Cloro (Cl): É absorvido na forma de cloretos (Cl-), sendo responsável pela regulação osmótica, equilíbrio iônico e fotossíntese. Está sempre presente na água dos aquários, pois os condicionadores de água transformam o cloro residual nocivo em cloretos inofensivos, então, dificilmente haverá carência de cloro, mas pode haver excesso de cloretos, que pode causar manchas escuras nas plantas, conhecidas como clorose.

         Cobre (Cu): É absorvido pelas plantas na forma iônica (Cu2+), tanto no substrato como na coluna d’água. Alguns ácidos orgânicos, como os ácidos húmicos, e condicionadores de água se ligam ao cobre, dificultando a absorção deste pelas plantas e diminuindo a toxicidade do cobre para os seres vivos. Em geral, não é necessária adição de cobre no aquário, pois a água da torneira contém níveis (que para nós humanos são seguros, <1,3 ppm) que podem ser usados pelas plantas, porém, o cobre é altamente tóxico e pode causar a morte da macro e microbiologia do aquário, por exemplo, peixes não toleram concentrações de cobre acima de 0,02ppm e, dependendo da concentração, pode até matar as plantas. Por isso, é importante a presença de plantas em aquários, pois elas ajudam a diminuir a concentração de metais tóxicos aos peixes.

         Manganês (Mn): Plantas absorvem o manganês na forma iônica (Mn2+). Geralmente não ocorre deficiência desse micronutriente em plantas, mas fertilizar com fertilizantes de micros é uma boa forma de assegurar que não haverá falta deste no aquário. Manganês é importante na ativação de enzimas de produção de clorofila e fotossíntese.

Molibdênio (Mo): Um importante nutriente usado na conversão do nitrato em amônia para a síntese de proteínas. É absorvido na forma de molibdato (MoO2+2-). Normalmente encontrado em bons níveis na água da torneira, porém, a adição de fertilizantes irá garantir a presença deste em aquários.

Zinco (Zn): Responsável pela saúde geral das plantas, pois está presente em muitas enzimas e tem papel importante na formação de clorofila. Em altas concentrações pode ser tóxico, tanto para peixes como para plantas, por isso use fertilizantes líquidos de acordo com o especificado. Zinco pode ser encontrado na água da torneira, fertilizantes líquidos e substratos férteis e é absorvido na forma iônica (Zn2+).

            Depois da leitura deste texto, espero que fique mais fácil entender o porquê de fertilizar com fertilizantes de qualidade, principalmente os micronutrientes. Os macronutrientes podem ser adicionados de acordo com a necessidade e conhecimento obtido na área de fertilização, há alguns métodos de fertilização que envolvem o uso de produtos químicos para suprir alguns macronutrientes, porém, é recomendado experiência e conhecimento na área. Para saber o que suas plantas precisam, pesquise, estude e o principal: invista alguns minutos olhando para seu aquário, pois deficiências nutricionais possuem diversos sintomas e se lembre que aquário com peixes e invertebrados não é lugar de experiências.